Verde VidaEspaço do CorpoPreta Forner 970x200Drogaria Alvesjornal voz


Notícia

 
Quinta-Feira, 28 de Setembro de 2017
Acusado de matar analista financeiro do banco de Paris vai a júri 14 anos após crime em Ribeirão Preto
Empresário Alexandre Titoto é acusado de agredir e enterrar vivo o bancário Carlos Alberto de Souza Araújo, em fevereiro de 2003, após ser cobrado por dívida de R$ 620 mil.
Acusado de matar analista financeiro do banco de Paris vai a júri 14 anos após crime em Ribeirão Preto
Começa nesta quarta-feira (27), no Fórum de Ribeirão Preto (SP), o julgamento do empresário Alexandre Titoto, acusado de matar o analista financeiro do Banco Nacional de Paris Carlos Alberto de Souza Araújo, por causa de uma dívida de R$ 620 mil.

Ao Bom Dia Cidade, um dos advogados do réu, Felipe Barbi Scavazzini, afirmou que não vai se manifestar sobre o caso antes do julgamento.

Segundo a acusação do Ministério Público, o analista financeiro morreu após ser enterrado vivo por Titoto e pelo administrator de lava a jato Adelir da Silva Mota, na zona rural de Altinópolis (SP), em fevereiro de 2003.

Ambos são acusados de homicídio triplamente qualificado. Silva foi preso em novembro de 2014, após ser condenado a 18 anos de prisão. Mas, a sentença foi anulada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) e o réu libertado em dezembro de 2016.

Titoto responde em liberdade. O julgamento dele foi adiado duas vezes no ano passado: em junho, porque uma testemunha alegou que não poderia comparecer em plenário, e em dezembro, após pedido da Promotoria, em função da anulação do júri de Mota.

O MP informou que há a possibilidade de o julgamento se estender até quinta-feira (28), diante do número de testemunhas: cinco de defesa e outras cinco de acusação devem ser ouvidas pelo juiz Luís Augusto Freire Teotônio.

Entenda o caso

Titoto chegou a ser preso na época do crime. À Polícia Civil, ele afirmou que fazia aplicações financeiras com Araújo, quando passaram a discutir por causa da venda de um carro importado: a vítima não teria recebido o valor combinado de R$ 405 mil - atualizado em R$ 620 mil.

Os dois iniciaram uma briga com agressões físicas e Mota - que prestava serviços para Titoto - disse em depoimento que interferiu, agredindo o analista financeiro com socos e com pedaços de uma moldura de quadro.

A Promotoria sustenta a tese de que a vítima perdeu os sentidos após a agressão. Os réus, acreditando que Araújo estivesse morto, enterraram o corpo na fazenda do empresário em Altinópolis, a 50 quilômetros de Ribeirão, onde o crime teve início.

O exame necroscópico feito pelo Instituto Médico Legal (IML) constatou que Araújo foi enterrado vivo. O atestado de óbito indica morte por traumatismo craniano, asfixia mecânica e soterramento - havia vestígios de terra nos pulmões.

Em 9 de outubro de 2014, o administrador de lava a jato foi condenado, em júri popular, a 18 anos de prisão. Ele permaneceu 23 dias foragido, mas foi preso em 1º de novembro daquele ano.

Posteriormente, a defesa recorreu ao TJ-SP, que anulou o julgamento sob alegação que o réu não pode ser condenado por ocultação de cadáver, uma vez que a vítima foi enterrada viva e o laudo necroscópico aponta que a morte ocorreu por asfixia.

Fonte: G1






TVozPreta Forner 450x90Ver Mais Veículos




Verde VidaPreta Forner 728x90


Tecnologia
Ciência
Tec. e Informática

Entretenimento
Filmes
Livros
Música
TV

+ Mais
Gospel
Receitas
Saúde

Central
Contato
Localização

Assinante
Acessar
Especiais
Curiosidade Voz
Extr@Voz
Top of Mind
TVoz

Links
Ver Mais Veículos

App Developers
Show
Feliz Natal
Feliz Ano Novo

Estatísticas
Visualizações: 10582280

Online
Temos 306 Visitante(s) Online
A Voz Online | Jornal Voz São Joaquim da Barra e Região


Rua São Paulo, 1579: Ap. 111 (11º Andar) — Centro, Sjm. da Barra - SP | Tel: (16) 3818-0302     ||     Rua 01, 111 — Centro, Orlândia - SP | Tel: (16) 3826-8888