Preta Forner 970x200Espaço do Corpojornal voz Verde VidaDrogaria Alves


Notícia

 
Quinta-Feira, 17 de Setembro de 2015
A redução de velocidade salva vidas
A redução de velocidade salva vidas
Quando se estudam as causas de acidentes e mortes no trânsito, de início esbarra-se no fator principal, a velocidade. Quando aumentamos a velocidade, aumentamos a energia do movimento (energia cinética). Quanto maior essa energia, maior a possibilidade de lesões cada vez mais graves.

O entendimento e a aceitação tem que excluir a ideia de que o objetivo da redução da velocidade na cidade de São Paulo é aumentar a arrecadação, produzir maior lentidão ou engarrafamento. Temos que correr sim, mas atrás da manutenção da vida, da redução das mortes e sequelados produzidos por este trânsito.

O engarrafamento e a lentidão do trânsito são problemas de longa data, é crônico, precisamos resolver. Não surgiu com a redução da velocidade; aliás, a redução possibilita a maior fluidez. A alta velocidade faz com que se acumulem veículos, enquanto mantendo-a baixa e uniforme as conhecidas lentidões e engarrafamentos tendem à redução. O maior responsável pelos congestionamentos é o excesso de veículos nas ruas.

Temos que deixar de pensar na individualidade e privilegiar o coletivo. Só nos revoltamos, reagimos, pedimos justiça quando alguém da nossa família foi atingido. Mas será sempre assim, a sociedade reagirá quando se perder um ente querido? É preciso que todos se conscientizem de que necessitamos de atitudes firmes e objetivas para a redução das mortes e sequelados em nossas vias.

A Organização das Nações Unidas (ONU), diante do absurdo de 1,2 milhão de mortes e 50 milhões de lesionados no trânsito no mundo, propôs a redução de 50% nessa década de 2011 a 2020. Pior é que, com uma frota bastante reduzida em relação a outros países, o Brasil encontra-se no terceiro lugar no ranking mundial.

A velocidade é o primeiro fator desencadeante de mortes no trânsito brasileiro.  Os veículos produzidos no Brasil são frágeis, segundo a Latin Ncap. Eles não são capazes de absorver a energia de uma colisão, permitindo que essa energia se propague para dentro do veículo causando danos muitas vezes irreversíveis a quem está no seu interior.

Estudos que se iniciaram em Londres e se propagaram para o resto da Europa mostram: a 32 Km/h podemos causar mortes em 5% de pedestres, 65% serão lesionados e 30% ficarão ilesos. Aumentando para 48 km/h, teremos 45% de óbitos, 50% de lesionados e 5% de ilesos. Pisando mais no acelerador e com 64 Km/h teremos 85% de óbitos e 15% de lesionados.

A implantação de novos limites de velocidade a que muitos estão reagindo, não aceitando, buscando alternativas para justificar o absurdo que acham na nova regra adotada, não se justifica. A responsabilidade é de técnicos em engenharia de tráfego, que buscam o bem-estar físico, mental e social da população.

Há a necessidade de colaboração das organizações governamentais, não governamentais e da sociedade no sentido de entender que o objetivo maior é o de preservar vidas. Temos hoje números de óbitos e de incapacitados temporários e definitivos para a vida crescendo todos os dias. Em 2014 morreram no país, no trânsito, 54 mil pessoas, 330mil ficaram incapacitados definitivamente. A faixa etária é entre 18 e 34 anos.

Precisamos repensar o comportamento adotado e entender que a máquina sobre rodas é um perigo iminente e não um brinquedo de gente grande.

Fonte: Jornal Voz






TVozVer Mais VeículosPreta Forner 450x90




Verde VidaPreta Forner 728x90


Tecnologia
Ciência
Tec. e Informática

Entretenimento
Filmes
Livros
Música
TV

+ Mais
Gospel
Receitas
Saúde

Central
Contato
Localização

Assinante
Acessar
Especiais
Curiosidade Voz
Extr@Voz
Top of Mind
TVoz

Links
Ver Mais Veículos

App Developers
Show
Feliz Natal
Feliz Ano Novo

Estatísticas
Visualizações: 10575899

Online
Temos 240 Visitante(s) Online
A Voz Online | Jornal Voz São Joaquim da Barra e Região


Rua São Paulo, 1579: Ap. 111 (11º Andar) — Centro, Sjm. da Barra - SP | Tel: (16) 3818-0302     ||     Rua 01, 111 — Centro, Orlândia - SP | Tel: (16) 3826-8888